Total de visualizações de página

4 de janeiro de 2015

Educação a Distância - 10 Motivos para Estudar



Motivo 1Rápido e Práticomotivo 1
Fazer Cursos Online é uma forma rápida e prática de aprender. É possível iniciar um curso em qualquer dia, não é necessário apresentar documentos ou participar de processos burocráticos para iniciar as aulas.
   
Motivo 1Valores Acessíveismotivo 2
Nossos cursos variam entre R$ 20,00 e R$ 75,00. Um treinamento parecido em outras instituições pode custar mais de R$ 500,00. Nossa eficiência e alto volume de alunos possibilitam oferecer cursos de alta qualidade por valores reduzidos. Além disso, não há nenhuma cobrança de mensalidade em nossos cursos, eles são pagos uma única vez.
   
Motivo 1Flexibilidademotivo 3
O processo é totalmente flexível: Flexibilidade de Local, Flexibilidade de Horário, Flexibilidade de Duração do Curso. Estude de onde preferir, da sua casa, trabalho, faculdade, lan-house ou de qualquer computador, faça nos seus horários disponíveis e conclua os cursos em quanto tempo desejar. Tudo é feito de acordo com seu ritmo, sem compromisso com prazos e horários fixos.
   
Motivo 1Não necessita se locomovermotivo 4
Fazendo nossos Cursos Online você não gasta com locomoção até uma escola presencial, não perde tempo no trânsito. Isso significa mais tempo livre para estudar, resultando em um melhor aproveitamento.
   
Motivo 1Banco de Currículosmotivo 5
Diversas empresas contatam-nos e solicitam indicações de alunos para vagas de emprego. Ao estudar conosco, você pode incluir seu currículo no Banco de Currículos e ser indicado para vagas relacionadas aos cursos feitos.
   
Motivo 1Certificado Válido em Todo o Brasilmotivo 6
O Certificado é válido em todo o Brasil e em vários outros países, ele pode ser utilizado em faculdades, empresas públicas e privadas, concursos e provas de título, entre outros.
   
Motivo 1Empresa Mantenedora da ABEDmotivo 7
O Cursos 24 Horas é uma empresa mantenedora da ABED - Associação Brasileira de Educação a Distância. Nosso nome e logo é exibido na página de Mantenedores da ABED.
   
Motivo 1Funcionários treinados conoscomotivo 8
Outra prova de qualidade do sistema de ensino é o número de empresas que já tiveram funcionários treinados conosco. Veja na imagem ao lado algumas dessas empresas.
   
Motivo 1Seu Currículo fica Atualizadomotivo 9
Todos os cursos podem ser incluídos em seu currículo. As pesquisas comprovam que manter o currículo atualizado é uma das formas mais eficientes para ser promovido, conseguir um novo emprego, ou até mesmo evitar uma demissão do emprego atual.
   
Motivo 1Professores Altamente Qualificadosmotivo 10
Uma equipe de professores altamente qualificados fica à disposição para atender aos alunos, corrigindo exercícios, enviando material adicional e tirando todas as dúvidas que possam surgir durante o curso.
  

17 de maio de 2014

Diversidade na sala de aula


http://www.portalinclusao.com.br/do/Noticia/205/projetos_apostam_na_diversidade_e_mostram_que_a_inclusao_e_possivel

Dentro de uma sala de aula, mesmo que não haja alunos com necessidades especiais, já há dificuldade em atender às diferentes demandas, seja na forma de aprender, na visão de mundo que já trazem de casa, seja na maneira de aceitar as diferenças culturais, raciais, físicas e etc.  Por conta disto, o currículo já é mexido, já precisa ser alterado e revisado porque o próprio grupo escolar questiona esta “igualdade de ensino”.
No entanto, é muito difícil acolher esta flexibilização, principalmente, quando nesta “mistura” há alunos com necessidades educacionais especiais, ainda que sejam temporárias.  Um bom exemplo, é uma turma com apenas um aluno com deficiência intelectual, querendo receber os mesmos conteúdos, recusando-se a ter um material didático diferente dos demais porque ele não se sente diferente.
Neste sentido, a mobilização da professora, da especialista, dos pais, dos colegas de turma deve ser no sentido acolhimento desta indignação e de procurar uma saída para o trabalho em sala de aula com as adaptações de conteúdo, de avaliação, de material didático.

Neste caso, com tantas diferenças, só há uma saída que é a integração e a discussão de todas as ideias (sem desconsiderar ninguém) antes de definir um currículo para a turma.

Valéria F. Souza

30 de julho de 2013

DECLARAÇÃO DE SALAMANCA


A Declaração de Salamanca reconhece como princípios norteadores que as escolas regulares, seguindo uma orientação inclusiva, devem se adequar às crianças e jovens com necessidades educativas especiais ou não, dotadas de interesses e características próprias de aprendizagem, através de uma pedagogia centrada na criança, para garantir o direito fundamental à educação, mantendo um nível aceitável de aprendizagem.
No entanto, para que seja praticada uma educação inclusiva, nas escolas regulares, os sistemas de ensino devem se organizar e implementar programas visando a atender esta diversidade de necessidades.
O texto traz ainda novo conceito de necessidades educativas especiais,  ampliando a clientela atendida para inclusão da educação especial dentro da estrutura de Educação para Todos, da Conferência de Joimteim.

  
Valéria F. Souza
Pedagoga
Pós-graduanda Educação Especial

7 de fevereiro de 2013



Peço licença para  postar um texto, o qual convido a todos a lerem. 


Texto selecionado para integrar a Antologia publicada, em 2011, pela Revista Literária de Brasília.

BRINQUEDO

Eu sou de brinquedo.
O destino é meu dono.

Às vezes me quebro
E fico relegada ao abandono.
Às vezes, ele me conserta
E me brinca em seus descansos.

Às vezes me desconserta,
Porque não sou de verdade.
Sou de brincadeira.

Quem é de brincadeira,
Não gosta de abandono.

Mas eu gosto do meu dono
Que faz de mim
Um brinquedo de verdade.

Aurea Stela


Veja mais no blog: http://palavralgia.blogspot.com.br/p/quem-sou-eu.html

6 de fevereiro de 2013


METODOLOGIA DA LÍNGUA PORTUGUESA

Objetivos
Orientar às professoras do 1º ao 5º ano quanto à metodologia a ser usada em sala de aula para ensinar a língua portuguesa.
Unificar o método de ensino da língua portuguesa entre as professoras do 1º ao 5º anos.
Desenvolvimento
O trabalho com as sequências gramaticais, produção de texto e interpretação é realizado a partir de gêneros textuais, que sejam familiares aos alunos e adequados às faixas etárias.
Os gêneros têm uma função prática no dia a dia, como as cartas, os bilhetes, as listas de compras, as regras de jogos, os e-mails, os textos explicativos das matérias, as fábulas, os contos, os outdoors, as obras de arte, as bulas de remédios, as receitas de culinária e tantos outros.  A quantidade de gêneros é tão grande quanto à diversidade de comunicação do homem e serão utilizados de acordo com a necessidade de cada pessoa.
Junto com os gêneros, estudam-se também as sequências ou tipos textuais, que são entre outros, as narrativas, dissertativas, opinativas, descritivas e explicativas.  Dentro de um gênero, pode-se encontrar um trecho narrativo e outro descritivo, por exemplo:

Exemplificando um planejamento de português, cuja unidade de trabalho é carta, como gênero textual, uso de m antes de p e b, em ortografia e gênero do adjetivo como gramática (estudo da língua), teríamos, então:
Texto de abertura  - uma carta
Conteúdos de interpretação: ideias principais do texto; entendimento das palavras (semântica);  estudo das divisões do texto (parágrafos); percepção de como as ideias de cada parágrafo estão interligadas formando uma unidade no texto, seguindo introdução, desenvolvimento e conclusão (coerência). 
Além do texto escrito de abertura, deve-se apresentação texto de imagem para que o aluno aprenda a ler.
Sequência gramatical (estudo da língua): a partir da leitura com os alunos, levá-los a percepção que o adjetivo alterna entre feminino e masculino, no texto.   Depois de fazer as observações e trabalhar oralmente ou no quadro com os alunos, uma sistematização do conceito deve ser dado.  Caso não tenha no livro adotado, a professora precisa transcrever no caderno.  O estudo das sequencias gramaticais permite dar coesão ao texto.
Para prática em aula e em casa de um conceito novo, o aluno deve fazer exercícios que podem ser do livro e/ou no caderno. 
Num primeiro momento, os alunos devem aprender e identificar quando o adjetivo está no masculino ou no feminino.  Depois, precisam aprender a contextualizar, ou seja, identificá-los dentro de um texto.  Por isto, um outro texto para retirar e/ou identificar essas sequências gramaticais deve ser passado ao aluno tanto como tarefa de aula quanto de casa.
Para o trabalho com ortografia, seguem-se as mesmas orientações acima.
Finalizando a unidade, o aluno vai aprender a produzir um texto que seja o mesmo gênero do texto de abertura, no caso carta.  Além do gênero o aluno deve aprender a ter coesão, escrevendo de acordo com o padrão da modalidade escrita, dentro dos conteúdos já ensinados, ter no mínimo três parágrafos aprendendo a introduzir, desenvolver e concluir, formando uma unidade textual mostrando uma coerência, se for um texto que permita estas separações e ter um mínimo de linhas.
O aluno também deve praticar em aula e em casa.  Portanto, além do exercício do livro, outro deve ser enviado como tarefa de casa.
Na semana de revisão, os exercícios devem ser no formato do teste/prova para que o aluno tenha familiaridade com os mesmos.
Formato de teste e prova
Dois ou três textos, sendo um(dois) no(s) gênero(s) trabalhado(s) no período, uma imagem e quadrinha, cujos conteúdos sejam passíveis de retirar as sequências gramaticais e ortográficas estudadas no período e a interpretação do aluno, se possível ligada ao estudo da língua.
A finalização deve ser uma produção de texto que esteja de acordo com o gênero trabalhado no bimestre.
Quanto à opção pelos gêneros, devem ser trabalhados os que estão no livro adotado, servindo como ponto de partida para introdução da metodologia.
Esta proposta visa ao letramento do aluno e a aprendizagem das sequencias gramáticas dentro do entendimento do texto oral e escrito.

Valéria F. Souza